Sobre Ontens - 2010


CLIQUE NO TÍTULO DO ARTIGO DESEJADO PARA ABRIR EM PDF!

Maytê Regina Vieira

Jefferson Lima

Kamila Czepula

Jaquelline Maria Cardoso

Marcio Renato Marques

Indiamara C. Pech

ABRAM OS PORTÕES: A EMIGRAÇÃO SÍRIO-LIBANESA NO PARANÁ DO SÉCULO XIX ATÉ A ATUALIDADE
Thays Bieberbach





TRECHOS DOS ARTIGOS


A CAPITAL É UM CAOS!
Maytê Regina Vieira

Em 1904 o Rio de Janeiro viveu um conflito que pode ser comparado a uma guerra civil. Quebra-quebra, destruição de bondes, iluminação pública. Barricadas nas ruas para enfrentar a polícia. Esta, mesmo com a ajuda da Marinha e dos Bombeiros, teve dificuldade em conter o ímpeto popular. A Revolta da Vacina é comumente retratada como um levante popular contra um decreto que obrigava a vacinação. Mas não é só isto que a explica. Buscamos neste artigo entender os mecanismos que levaram a população carioca ao levante e a enfrentar com armas ou o que pudesse ser usado como tal, as autoridades. Defendemos que a obrigatoriedade da vacina foi somente uma justificativa. Os motivos eram bem mais antigos e bem mais profundos. Era uma mescla de frustrações com o governo, com o novo regime, com as condições de moradia e com a imposição arbitrária de novos modos de vida que excluíram a maior parcela da população.


O BROCK: A FORMAÇÃO DO MERCADO JOVEM DOS ANOS 80
Jeferson Lima

A música brasileira, mais especificamente o rock, traz uma miríade de influências e informações que vão alem dos ritmos nacionais. Este ensaio visa traçar um panorama geral sobre o rock brasileiro, e principalmente, apresentar o movimento BRock, que surge no Brasil durante a década de 80. Ao analisar quais suas diferenças em relação aos outros movimentos musicais que utilizaram da linguagem musical do rock, mas em nada se assemelham a essa manifestação cultural presente no BRock. O estilo musical intitulado rock é encontrado em canções anteriores ao movimento do BRock, mas o que acabara sendo seu diferencial é seu apelo comercial e mercadológico.


Acerca da sexualidade: o que se fala, o que se cala... a tradução do Diálogo do Tao supremo para o Mundo
Kamila Czepula

Mas afinal, será que em algum momento da história a sexualidade pode realmente ser vivenciada como um ato natural?  Seria possível falar de sexo assim tão sem clichês, sem anticlímax, sem preconceito, sem malícia e vulgaridade? Há quem diga que sim e quem diga que não, outros afirmam que nunca saberemos concretamente tais informações; o fato é, que as respostas para estes questionamentos oscilavam entre o possível e o duvidoso, já que os conhecimentos tangíveis sobre a sexualidade, ainda continuavam a ser uma incógnita. No entanto, em 1973-1974 foram descobertos em uma tumba de Mawangdui (província de Hunan), na China, uma serie de textos daoístas, datados da época da dinastia Han. Dentre estes escritos encontravam-se alguns tratados curtos, porém bastante elucidativos a respeito da visão chinesa antiga sobre o sexo. Aliás, uma das peculiaridades destes documentos é que eles comprovam, que a sexualidade para os chineses não está vinculada ao pudor e a austeridade, assim como o discurso da moral e do pecaminoso é simplesmente inexistente; isso ocorre, porque na China antiga o sexo era visto como algo natural e vital para existência de um ser, não é a toa, que o primeiro livro de medicina chinesa o Neijing (Tratado Interno) já fizesse referências abrangentes sobre o mesmo.


DO MITO A FILOSOFIA
Jaquelline Maria Cradoso

A temática dessa pesquisa acadêmica trata basicamente das relações entre mito e razão na sociedade grega. O enfoque é em torno dessa crença nos mitos pela sociedade, onde o mito era a explicação para qualquer acontecimento do dia-a-dia, bem como a filosofia que aparece para questionar esses mitos, tendo como precursor o filósofo Sócrates.


Este diabo empaca por qualquer cousa: Costume e Modernidade na década de 1870 a partir do periódico A Vida Fluminense
Marcio Renato Marques

A proposta deste artigo é discutir a partir de algumas edições do periódico “A Vida Fluminense” as relações pelas quais as idéias referentes à “modernidade” foram construídas, tomando como referência dois modelos explicativos para se entender as passagens da monarquia à primeira república: a questão militar e as discussões relativas ao clero. Não é nosso fito nestas breves paginas, expor através de hipóteses mais abrangentes, um direcionamento mais palpável para explicar o fim do regime monárquico. Nossas perguntas partem das discussões que se iniciam na década de 1870 e que serão expostas através das charges e das notas do jornal, fazendo referência quando falam de modernidade e a discrepância em relação ao “costume”, as medidas higienistas no combate à febre amarela, diga-se de passagem, um embate simbólico entre uma irrisória elite branca em meio a um emaranhado de culturas africanas e de uma população predominantemente mestiça.


A experiência colonial e os escravos na sociedade do Brasil Colônia
Indiamara C. Pech

Debater a experiência colonial e os escravos na época é extremamente importante, pois não só corresponde a uma parte do conteúdo de História do Brasil, como dá conta de avançar em suas múltiplas contribuições, seja ela econômica, social, política e cultural. Pretendemos, além de descrever a experiência colonial, destacar as condições de trabalho e vida escravistas dentro da sociedade, reconhecendo que os trabalhadores escravos foram sujeitos de sua história, não apenas quando participaram de revoltas de caráter mais contundente, mas e principalmente no seu dia-a-dia. Também pretendemos, suscitar, superficialmente, reflexões a respeito de aspectos econômicos e culturais travadas no Brasil, a partir da mão-de-obra escrava. Consideramos que os estudos sobre a temática, vista sob o olhar de grandes escritores como Luiz F. Alencastro (2000), Leila Algranti (1988), Stuart Schwartz (1999), entre outros.

ABRAM OS PORTÕES: A EMIGRAÇÃO SÍRIO-LIBANESA NO PARANÁ DO SÉCULO XIX ATÉ A ATUALIDADE
Thays Bieberbach

Em tempos que a emigração e crise dos refugiados é apresentada com tanto fervor nos meios de comunicação mundial, gerando muitas vezes uma repulsa aos emigrantes, nesse artigo pretendemos trabalhar alguns aspectos da emigração Sírio-Libanesa no Brasil e em especial no Estado do Paraná, dividimos o presente artigo em três partes, uma explicando como eles vieram para território brasileiro e os aspectos culturais, outro falando da criação do clube sírio-libanês no Paraná e por último vamos discutir a emigração, imigração e atualidade no Brasil e Paraná.