Edição Sobre Ontens 2016


REVISTA ELETRÔNICA DE HISTÓRIA
____________________________________________

CONFIRA OS TEXTOS 2016/1:
____________________________________________



ATENÇÃO! HÁ UM PEQUENO ERRO NO CABEÇALHO DOS ARTIGOS.
A INDICAÇÃO É DO NÚMERO ISSN, E NÃO ISBN!
PEDIMOS DESCULPAS, E LOGO QUE PUDERMOS, ARRUMAREMOS OS TEXTOS.
GRATXS! =)



André Bueno 

Resumo
Neste breve ensaio, examinaremos algumas concepções historiográficas chinesas pós-comunistas, na China contemporânea. Tentaremos entender as possibilidades interpretativas na história chinesa atual, em relação aos métodos tradicionais e as mudanças no panorama político e social.
Palavras-Chave: China - Historiografia Chinesa - Teoria e Metodologia da História

Lucas Rodrigues Pereira da Silva

Resumo
Budismo, Confucionismo e Daoismo são as três correntes filosóficas mais conhecidas na China, entretanto, muito pouco se sabe sobre elas no ocidente, sendo assim, torna-se muito importante dá uma maior relevância para estas doutrinas, seja para entender um pouco mais sobre a história chinesa, tal como para preencher o grande vácuo histórico deixado pelo longo período sem um contanto formal entre China e o ocidente; então, para que se tenha uma melhor compreensão é necessário também saber que cada uma das doutrinas se desenvolveram de formas diferentes, cada uma possuíam objetivos diferentes, todas tiveram bons e maus momentos ao longo da história. Será também abordado um pouco sobre o objetivo de cada corrente e como elas foram mudando ao longo do tempo, sendo assim, a dinastia Han servirá de periodização para uma melhor análise, pois durante este período a China conseguiu unir muitas doutrinas, formando novos pensadores e novas correntes de pensamento; entretanto, esta mesma dinastia é cercada de mitos que acabam dificultando ainda mais o entendimento da história chinesa. Também se torna importante analisar se existe ou não religião na China, pois grande parte das doutrinas não segue uma divindade, para tal torna-se muito importante saber a origem do termo “religião”.
Palavras-chave: Daoismo, Confucionismo, Budismo.

Jorge Luiz Zaluski 

Resumo
A história enquanto disciplina passa constantemente por várias interpretações e questionamentos. No século XX, em diferentes momentos foi colocado em questões seu reconhecimento enquanto ciência sejam por seus métodos, objetivos, fontes e escrita. São pela escrita que se desdobram outras inquietações, como a busca em afirmar se a história é ou não uma ficção. Partindo dessa problemática, este texto tem como objetivo fazer um breve apontamento sobre a narrativa histórica e a utilização da memória para a pesquisa historiográfica. Assim, diante da reflexão junto a alguns dos autores que trabalham sobre o tema, como Hayden White e Paul Ricoeur, destacam tais questões.
Palavras chave: ficção; história; memória; testemunho.


Resumo
Sob o título Mulher independente ou prostituta? Uma análise do status de Simaeta em Teócrito (séc. III a.C.), nosso trabalho tem por objetivo discutir o status da personagem Simaeta (Σιμαίθα), a qual foi delineada pelo poeta Teócrito de Siracusa, no “mimo” A feiticeira, ora como uma das prostitutas hetairai, conhecidas por sua postura socialmente ativa, ora como uma mulher independente, característica das sociedades cosmopolitas do período helenístico, como, por exemplo, a sociedade da ilha de Cós. Escrito por volta dos anos de 270-260 a.C., especificamente no século III, no círculo literário dos Ptolomeus do Egito, o poema de Teócrito combina profundidade psicológica e um realismo credível sobre a vida cotidiana de uma jovem comum da ilha de Cós, Simaeta, que recorre a magia, imprecações e autorreflexão para lidar com seus sentimentos em relação ao abandono após o intercurso sexual com Delfis de Myndus.
Palavras-Chave: Simaeta; Teócrito; período helenístico.

Rivaldo Amador de Sousa 

Resumo
O presente artigo propõe-se a discutir o advento, a presença e a forte influência do transporte ferroviário na cidade de Sousa, localizada no Alto Sertão Paraibano, num período que compreende o intervalo de quatro décadas (1925-1965). Sua influência direta no escoamento de mercadorias e no transporte de pessoas permitiu um conjunto de mudanças materiais e imateriais na região. Para desvelar esse passado que trata das experiências com a denominada Maria Fumaça recorremos, especialmente, a oralidade, o que nos permitiu percorrer por uma memória do cotidiano. Contudo, outros documentos nos serviram também para a “invenção desse passado”, como periódicos e memórias escritas.
Palavras-chave: Trem de Ferro; Memórias; Cotidiano.

Carolina do Amarante 
Patrícia Volk Schatz 

Resumo
Florianópolis, a capital do estado de Santa Catarina, destaca-se como um potencial destino turístico nacional. A trajetória histórica do desenvolvimento de Florianópolis evidencia discursos e medidas político-institucionais que explicam a pretensa vocação turística da capital catarinense. Como consequência do acelerado processo de crescimento urbano e da promoção midiática da Ilha de Santa Catarina observa-se uma rápida expansão imobiliária que evidencia conflitos ambientais, sociais e culturais. Assim, esse artigo visa identificar, nas fases de urbanização da cidade de Florianópolis, quais os fatores que contribuíram para a construção de uma imagem da capital como destino turístico, e, como, o desenvolvimento urbano é acompanhado de interesses econômicos e políticos.
Palavras-chave: Urbanização. Expansão. Cidade.

Jessica Caroline de Oliveira
Lucas Padilha
Michel Kobelinski

Resumo
Ao realizarmos estudos sobre a história da Mesoamérica, logo nos remetemos ao mito fundador e integrador deste espaço à cultural ocidental: a viagem de 1492 de Cristovão Colombo, o qual oficializou o descobrimento das terras que passariam a compor o que conhecemos como América. Nesta acepção, esta breve apresentação objetiva refletir sobre a forma como se consolidou o emprego do termo “descobrimento” dentro da historiografia e, deste modo, desconstruir essa ideia através da análise das obras “A Conquista da América: a questão do outro”, de Todorov e “A Invenção da América”, de O’Gorman. (1992) Buscando trabalhar com as perspectivas conceituais de “invenção” e “conquista”, demonstrando como a história da América foi inventada pelos espanhóis com o uso de relatos e manuscritos que, mesmo contraditórios, traziam em sua literatura os elementos necessários para compor uma justificativa espanhola frente ao acontecimento histórico. Vale ressaltar que diferente dos demais continentes, a América inaugura a noção de “descobrimento”, além disso, rompe com o imaginário e os medos que imperavam em uma sociedade fortemente influenciada pela religiosidade, fato observável na cartografia e nos discursos até então empregados. Neste sentido, demonstrar-se-á também, como a ideia de “conquista” é aplicada ao contexto mesoamericano, através do contato e da ação espanhola frente aos nativos americanos, possibilitando uma reflexão de como o eu e o outro eram percebidos dentro de cada civilização. Além de O’Gorman (1992) e Todorov (1998), serão empregados no debate historiográfico como autores Gruizinski (2006) e Wolosky (2012).
Palavras-chave: Descobrimento. Invenção. Conquista.

Elaine Cristine Luz Santos de Moura 
Lilian Raquel Ricci Tenório 

Resumo
O presente trabalho trata-se de uma análise da mediação cultural na promoção de diálogos referente a preservação patrimonial, fomentando à pesquisa e a valorização dos acervos presentes em museus. Resulta-se de uma análise da preservação patrimonial, da função social dos Patrimônios Históricos, e da importância de profissionais especializados em promover o atendimento museal. A realização deste trabalho ocorreu durante o curso de Pós-graduação em “Cultura e História dos Povos Indígenas” da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Para isso, foram realizadas observações no Museu de Arqueologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (MUARQ), sendo este o objeto de trabalho, além de pesquisas em periódicos que embasaram o referencial teórico desta pesquisa.  Pretende-se promover a salvaguarda dos acervos, apresentando considerações sobre a educação patrimonial. Verifica-se através de observações a importância da mediação cultural, da gestão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), e a necessidade de atenção dos gestores e de toda comunidade para a valorização e preservação dos patrimônios culturais brasileiros.
Palavras-chave: Cultura material; Museologia; Educação Patrimonial.

Vinícius Rajão da Fonseca 

Resumo
Este artigo tem como foco central historicizar o processo de formação da Companhia Mate Laranjeira no final do século XIX e analisar a sua relação com o processo de ocupação e colonização das terras no sul de Mato Grosso. Buscamos compreender se a Mate Laranjeira realmente atrasou o processo de colonização da região como é apontado por alguns estudos nas últimas décadas. Pensar que as dificuldades de colonizar o território mato-grossense foi resultado exclusivo da presença e força da CML é uma forma de isentar o Estado de sua responsabilidade, pois percebemos que existiu uma rede de relações de poder para favorecer ambas as partes.
Palavras-Chave: Sul de Mato Grosso; relações de poder; erva-mate.

Rycardo Wylles Pinheiro Nogueira

Resumo
Nosso interesse se desenvolve em torno da escrita autobiográfica. Este trabalho levanta questões teóricas necessárias ao campo historiográfico acerca do “historiador de si mesmo”, termo cunhado por Pierre Nora quando fala de um processo “psicologização da memória”. Levamos em consideração em como o sujeito autobiógrafo articula enquanto elemento essencial á sua narrativa autobiográfica uma relação com a memória. Quando faz usos do passado, quando “escreve” a si mesmo do passado por sua narrativa, não deixa de manter uma relação com uma noção temporal ficcional na qual articula temporalmente suas experiências narrativas a ponto de se fazer compreensível diante de outros. A escrita autobiográfica está ponderada na relação como passado na experiência de narrar a própria experiência pela relação entre memória, um “si mesmo” e narrativa.
Palavras-chave: autobiografia; memória; narrativa.

Guilherme Augusto Batista Carvalho  

Resumo
O presente artigo pretende realizar uma discussão sobre o papel da mídia brasileira no apoio à hegemonia governista, na ainda jovem democracia que tentava se estabelecer na década de 1990 no país. Para tal, buscamos realizar uma discussão teórica fundamentada em quatro conceitos basilares: “Poliarquia”, “Simbolismo”, “Hegemonia” e “Vontade”. Além disso, buscaremos nos debruçar sobre a conjuntura a qual esse trabalho se propõe a analisar, a fim de enrobustecer nosso diagnóstico final. Frente a tais proposições, buscaremos realizar uma análise qualitativa dos fatos, através de um método observacional das bibliografias pertinentes, como artigos e livros que mostram o histórico da temática, além de dados coletado na época, como desemprego, inflação e satisfação/insatisfação. Assim, o artigo levanta uma questão estrutural: a participação da mídia na manutenção da governabilidade interferiu na proeminência democrática de oposição organizada? Concluímos que ambos governos terminaram extremamente fragilizados devido aos escândalos, e números de baixa aprovação, nos levando a concluir que a participação de grupos opositores de cunho social organizado, se fortaleceram frente ao descrédito desses governos, apesar da oposição feita pela mídia a esses movimentos, nenhum consenso foi alcançado.
Palavras-chave: Poliarquia; Collor; FHC.

Gildson Nascimento Pereira Vieira

Resumo
Não é de hoje que a História em Quadrinhos é percebida como objeto de estudo e de reflexo da sociedade que a produz, contudo, o seu uso como material didático ainda possui restrições, muitas vezes não tão claras. Este trabalho pretende acompanhar a ideia de que as histórias em quadrinhos podem ser usadas como fonte de um estudo/discussão sobre determinado fato histórico em aulas de Ensino Fundamental, ao sugerir a série Entre a Foice e o Martelo (2004), de Mark Millar, para discutir a Guerra Fria e seu papel ideológico.
Palavras-chave: Super-Homem, Guerra Fria, Quadrinhos

Carlos Jordan Lapa Alves 

Resumo
Este artigo relata uma experiência interdisciplinar (Alvarenga et al., 2011) desenvolvida em sala de aula entre as disciplinas de Língua Portuguesa e História envolvendo o poema Navio Negreiro: uma tragédia no mar (1893), escrito por Castro Alves, contextualizando-o com o conteúdo de Brasil Colonial, estudado em aulas anteriores; para posteriormente, os alunos, através de suas percepções sobre o poema contextualizado com o assunto, construírem Histórias em Quadrinhos (HQs) e uma encenação baseada no teatro das sombras com o objetivo último de utilizar o texto literário como recurso metodológico na construção do conhecimento histórico pelos próprios alunos do Ensino Fundamental II na Escola Municipal “Manoel dos Santos Pedroza”.
Palavras-chave: História. Literatura. Poema.

Ariadne Marinho  

Resumo
Esta pesquisa visa compreender o discurso biopolítico por detrás da disciplinarização do corpo empregada pelas políticas sanitaristas do estado brasileiro com relação à lepra entre o final do século XIX e início do século XX. Buscando informações a partir de documentação oficial, como decretos de lei e outros impressos da época, procura-se identificar o tipo de tratamento que os doentes eram submetidos, tendo em conta o estigma social existente contra o leproso e as vítimas de moléstias semelhantes. Nesse sentido, percebeu-se que as instâncias político-administrativas adotaram diferentes estratégias de controle da enfermidade ao implementar medidas profiláticas nos espaços urbanos que previam a exclusão e o isolamento dos acometidos de lepra, considerados “impuros”.
Palavras-chave: Lepra, Biopolítica, Cuiabá.

Rodrigo Conçole Lage  

Resumo
O objetivo desse trabalho é discutir como a literatura pode ser utilizada para a discussão da ideia de verdade histórica, utilizando como fonte o romance História do cerco de Lisboa de José Saramago. Na primeira parte, examinamos a ideia de verdade histórica. Na sequência, apresentamos o romance, abordando a questão da falsificação da história e de como ela pode ser utilizada por professores para se trabalhar a questão da verdade. Por fim, tratamos dos excluídos da história oficial.
Palavras-chave: José Saramago, História do cerco de Lisboa, Verdade Histórica.

Carolina Corbellini Rovaris 

Resumo
Este trabalho apresenta uma atividade de narrativa histórica desenvolvida por alunos do curso de Bacharelado e Licenciatura em História na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado da Universidade do Estado de Santa Catarina -UDESC. Esta atividade foi realizada em uma turma de primeiro ano de ensino médio de uma escola pública da rede estadual de Santa Catarina em 2014. Partindo da hipótese de que as práticas de leitura e escrita de textos históricos no ambiente escolar podem contribuir para complexificar a consciência histórica, este trabalho também analisa as produções textuais dos estudantes, a fim de compreender como como estas habilidades interferem na aprendizagem histórica dos mesmos. Os resultados apontam para a necessidade de trabalhar com os alunos a compreensão histórica a partir de leitura de textos e interpretação de documentos, uma vez que será a partir das diversas linguagens que o aluno se transformará em sujeito crítico e atuante na sociedade.
Palavras-chave: aprendizagem histórica, compreensão histórica, práticas de escrita e de leitura, linguagem.

Gustavo Silva de Moura 

Resumo
Nesse breve ensaio em quatro acordes, temos como objetivo visualizar  possibilidades do uso do Rock nas aulas de História, mostrando essa nova perspectiva temática no ensino. Usaremos comunicações de quatro eventos acadêmicos internacionais ocorridos no Paraná, com o intuito de dar exemplos dos locais em que a temática Rock e Ensino de História estão sendo debatidas.
Palavras-chave: Rock – Ensino de História – Abordagens educacionais

Daniel Rodrigues de Lima 

Resumo
Os estilos de aprendizagem são diferentes formas de perceber e processar as informações, é como nos comportamos durante o processo de aprendizagem, diante disso há três formas perceptivas de aprendizagem que são: a visual, a cinestésica  (corpo, sensação e movimento) e a auditiva. O objetivo geral de nosso artigo é conceituar o que são dos estilos de aprendizagem. A pesquisa foi desenvolvida a partir de uma revisão bibliográfica, analisando o que foi produzido sobre o tema, onde seu cunho é de uma pesquisa qualitativa em que utilizaremos o método de amostragem, pois a partir da aplicação do teste de VAC (Visual, Auditivo e Cinestésico) baseado na teoria dos 6 estilos de aprendizagem de Markova podemos mensurar e identificar os estilos de aprendizagem predominantes da turma HID0167 de Licenciatura em História (UNIASSELVI). Acreditamos que hoje em nossa prática pedagógica não devemos apenas ensinar os nossos alunos a aprender, e sim, devemos é aprender as várias formas como ensinar, além de entender como estes melhor aprendem, e a teoria dos estilos de aprendizagem é uma excelente ferramenta se bem aplicada, para desenvolvermos práticas que norteiam tais condutas
Palavras-chave: Estilos de aprendizagem. Conceitos. Teorias.  Aprendizagem.

José Petrúcio de Farias Júnior 

Resumo
Refletir sobre o ensino de História Antiga tanto na Educação Básica, quanto no Ensino Superior, em tempos de reelaboração da Base Curricular Comum, assume, para muitos historiadores, caráter de militância. Ainda que saibamos que esta designação seja exagerada, ela sinaliza uma postura bastante comum no meio acadêmico, defendida por muitos historiadores. Diante disso, este artigo pretende pensar a relevância dos conteúdos de História Antiga na formação de professores a partir de um relato de experiência. Objetiva-se, com isso, problematizar o lugar dos estudos sobre a Antiguidade nos currículos de licenciatura em História, tendo em vista um cenário de intensos debates acerca da renovação do ensino de História na Educação Básica.
Palavras-chave: Ensino de História – História Antiga – formação de professor

Daniele Cristina Frediani

Resumo
A organização do Ensino de História enquanto disciplina surgiu no cenário educacional brasileiro em meados do século XIX, sob forte influência do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) fundado em 1838. Nesse momento histórico a disciplina se pautava na narrativa dos “grandes feitos” dos supostos heróis nacionais membros da elite e do clero. Essa forma de ensino de História perdurou por um longo período na Educação Brasileira e seguia os moldes do modelo europeu de Ensino de História. A disciplina de História sofreu uma forte modificação a partir de 1930 quando com a Reforma Francisco e sob influência de movimentos escolanovistas passaram a se desenvolver um abordagem generalista de história, apresentando ainda outros sujeitos históricos, passou também a se evidenciar nesse momento o apreço a adesão aos estudos sociais. A partir da lei n° 5692/71, durante o Governo Militar, a História e a Geografia foram definitivamente substituída pelos Estudos Sociais , houve então a aplicação dessa disciplina ao lado da Moral e Cívica. Na década de  1990 com a desanexação da disciplina de História dos Estudos Sociais, passaram a se desenvolver novas reformulações no ensino de História, influenciados por diversas tendências historiográficas como a História Cultural, Social e do Cotidiano.Os currículos de História foram sendo analisados e desenvolvidos de acordo com o corpo discente e docente.
Palavras-chaves : Ensino de História,  Disciplinas Escolares e Educação.

Ana Alice Menescal 

Resumo: O Instituto do Ceará, fundado ao fim do século XIX, tinha o propósito de inaugurar a História local através da investigação, compilação, publicação e análise de documentos. A Revista do Instituto do Ceará era a principal fonte de difusão da produção intelectual da agremiação, entretanto, era de acesso restrito a uma pequena parcela da população. A proposta deste artigo é discutir como a produção do Instituto do Ceará contribuiu para a fundação da historiografia cearense tradicional, analisando a abordagem dada aos povos indígenas do Ceará nos trabalhos de autores de obras mais populares entre a sociedade do início do século XX. Recorremos aos conceitos de história, memória e esquecimento para analisar o que consideramos uma espécie de esquecimento dos nativos, embora levemos em conta que não se tratou necessariamente de um esquecimento proposital dos indígenas da região, mas da elaboração de uma memória específica da época e da parcela da população que a difundiu. O presente artigo é parte da tese de doutorado intitulada “Indígenas e Intelectuais: a questão indígena no Instituto do Ceará (1887-1938)”, desenvolvida junto ao curso de Doutoramento em História e Cultura do Brasil da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – Portugal.
Palavras-chave: Memória, Indígenas, Historiografia cearense.

Elvis Rogerio Paes
Luís Ernesto Barnabé 

Resumo
O presente texto possui o objetivo de analisar, como os livros didáticos referentes ao PNLD (Plano Nacional do Livro Didático) de 2014, apresentaram as formas de governo e suas concepções desenvolvidas em Atenas. Tendo ciência, que a História Antiga e seu recorte espacial e temporal não pode ser visto como algo naturalizado, o livro didático também reflete a interesses que são apontados no texto, discutidos em conjunto com os dados obtidos que envolvem os conceitos de formas de governos; ostracismo; definição do termo democracia; que são apresentados nos referentes livros. Todos esses fatores implicam compreender a dimensão complexa do livro didático para o seu principal utilizador: o estudante.
Palavras Chaves: História Antiga; Atenas; Formas de Governo; Ostracismo; Democracia.

Flaviano Oliveira dos Santos

Resumo: O uso de materiais audiovisuais no processo de aprendizagem tem sido um aliado dos professores, auxiliando de forma válida em suas aulas. A compreensão do fato de que a produção audiovisual pode ser usada como fonte de apreensão do passado e do momento de produção é irrefutável. O seu uso constitui uma forma de conciliar o ensino com elementos do cotidiano dos alunos. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo demonstrar a possibilidade de abordagem do recurso audiovisual em aulas de História Antiga, através da série televisiva Roma.
Palavras-chave: Ensino de História; Recurso audiovisual; Série Roma.

Bruno Flávio Lontra Fagundes 

Resumo
O texto é resultado de pesquisa sobre a história do curso de História da Universidade Federal do Paraná visando compreender a separação pesquisador-professor que constituiu o perfil institucional dos cursos de História no Brasil, que gira-ram em direção a um tratamento metodológico de natureza científica alinhado às políticas públicas de desenvolvimento científico e tecnológico característicos do projeto desenvolvimentista dos governos militares.   Principalmente após as medidas legais e programáticas que os cursos sofreram por ocasião das iniciativas que, ao longo dos anos 1960, desaguaram na Reforma Universitária em 1968. O curso de Mestrado da UFPR foi um emblema daquela situação, por onde é possível verificar a enorme valorização do cientista pesquisador em relação à desvalorização do profissional professor do ensino secundário na trajetória das licenciaturas de História brasileiras.
Palavras-chave: História, Licenciaturas, Ensino Superior.

Weber Abrahão Júnior 

Resumo
O texto é uma sugestão de plano de aula para o Segundo Ano do Ensino Médio, como resultado de produção de material didático para conclusão parcial de disciplina do Mestrado Profissional em História, na Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão. O tema escolhido foi Introdução às Revoluções Burguesas: o que é Revolução? O conceito de Revolução é recorrente nas Ciências em geral, e nas Ciências Humanas em particular, e especificamente na ciência histórica e em sua expressão didática, como disciplina escolar. É um conceito essencial para a compreensão dos processos históricos nas diferentes condições de mudança social, principalmente a partir do estudo da Revolução Francesa como marco da contemporaneidade. O objetivo principal da atividade é levar os alunos a compreensão das possíveis variações em torno da construção do conceito de revolução, compreendendo inclusive sua elaboração no tempo histórico. Além disso, viabilizar a comparação entre os diversos sentidos do conceito, e suas dimensões sociológica e filosófica, bem como algumas de suas manifestações históricas. Permitir ainda aos alunos a possibilidade do diálogo entre o texto didático tradicional e a linguagem dos quadrinhos. E, enfim, possibilitar aos alunos o acesso à percepção e compreensão de imagens através da leitura orientada dos quadrinhos.
Palavras-chave: conceitos históricos; quadrinhos; ensino

Wilverson Rodrigo Silva de Melo 

Resumo
Este artigo tem a tenra pretensão de analisar as perspectivas de produção e uso do livro didático que contemplem discussões acerca da história regional da Amazônia e, sua inter-relação com a formação sócio histórica do Brasil, no âmbito da sala de aula nas escolas básicas da cidade de Santarém-Pará. Dito isto, convém entendermos que existe uma lacuna entre o "querer" e "fazer história", pois “o fazer história e o ensinar história” não são campos distintos do saber histórico, ambos encontram-se imbricados e não devem se dissociar. Nesse sentido, longe de ser uma receita ou normas de como se trabalhar com a temática do Ensino de História da Amazônia e, quais referências apontar reporto-me justamente a esta dificuldade inerente ao cotidiano escolar do professor, em ter que realizar a transposição didática e posteriormente a mediação didática dos conteúdos de Estudos Amazônicos - em virtude da dificuldade de acesso a materiais didáticos voltados a esta temática, seja pela carência, desatualização e até mesmo inexistência de materiais, que contemplem novas abordagens sobre História da Amazônia, sobretudo na perspectiva da "Interdisciplinaridade" como defendem Japiassu (1976) e Barros (2011).
Palavras-chave: Ensino de História da Amazônia, livro didático, mediação didática.

Antonio José de Souza 
Jane Adriana Vasconcelos Pacheco Rios 

Resumo
Este trabalho visa debater a histórica representação subalterna dos povos negros na estrutura social brasileira, assim como o descaso que vitima a historiografia, os conhecimentos e as expressões culturais do continente africano. Essa constatação é confirmada pelas ideologias que categorizam o negro como uma raça inferior. À vista disso, a escola também contribuiu com o processo de negação da identidade e cultura afro-brasileira, permitindo, consciente ou inconscientemente, a presença do preconceito e da discriminação racial no espaço escolar. Desse modo, o referido trabalho, que é parte de uma pesquisa em andamento, desenvolve-se no terreno da educação, alicerçado na perspectiva da pesquisa qualitativa de abordagem autobiográfica. Trata-se de uma pesquisa-formação atravessada pelos princípios da fenomenologia e da hermenêutica a fim de investigar, através das histórias de vida-formação, de que maneira a cultura afro-brasileira emerge das narrativas e práticas pedagógicas de professoras e professores de classes multisseriadas das escolas rurais no município de Itiúba-BA.
Palavras-chave: África, relações étnico-raciais, docência.

Ana Flávia Crispim Lima 

Resumo:
Através do problema enfrentado pelos professores sobre a transposição didática, do ambiente acadêmico ao ensino básico, abordaremos nesse ensaio algumas considerações sobre o ensino de História Antiga e o livro didático, mostrando algumas dificuldades encontradas pelo docente e algumas sugestões para melhoria na aprendizagem do aluno.
Palavras-chave: Transposição Didática; História Antiga; Livro Didático.

Helayne Cândido

Resumo
Nesse artigo, analisaremos o romance histórico "Flor de neve e o leque secreto", e suas possíveis contribuições para o ensino de História. O Romance se passa na China do século 19. Ele aborda os relacionamentos de amizade femininos, e suas formas particulares de comunicação, como a escrita secreta Nushu. Trata, igualmente, das questões de gênero na sociedade chinesa. A partir dessa análise, buscaremos mostrar como romance pode ser usado como instrumento didático e pedagógico no ensino de História brasileiro. Estabelecendo comparações, mostraremos como discutir questões de gênero e igualdade em sala de aula.
Palavras Chave: China; Gênero, Ensino de História

Ramon Mulin Lopes 

Resumo
O presente texto tem por desígnio relatar a experiência da utilização do game “Caesar III” em turmas de ensino fundamental como parte do processo de ensino-aprendizagem da disciplina de História. O objetivo desta aplicação propõe transformar o game em uma ferramenta de interação entre alunos, contexto histórico e política do antigo Império Romano em um ambiente lúdico e capaz de despertar o interesse dos alunos, uma vez estes imersos em um cotidiano ligado às tecnologias digitais. O game colaborou com a visualização das tecnologias do império romano e promoveu uma profunda reflexão sobre as atitudes de cada aluno durante a construção de suas atividades no jogo.
Palavras-chave: Ensino-aprendizagem; Games; Tecnologias Digitais.

Isaias Holowate 

Resumo
Partindo do pressuposto da necessidade de compreensão do surgimento e das especificidades do desenvolvimento da escrita no decorrer da História como uma das possibilidades para a compreensão do desenvolvimento das culturas do Oriente Próximo, o presente trabalho trata-se de uma reflexão sobre o Plano Didático aplicado durante as atividades da Disciplina de Estágio I aos alunos de quatro turmas do 6º ano do Ensino Fundamental do Colégio Estadual Edison Pietrobelli, em Ponta Grossa, no mês de agosto de 2014. O Projeto utilizou-se dos princípios da teoria cognitiva histórico cultural, de Vygotsky, e teve por objetivos ensinar sobre o surgimento da civilização Fenícia com enfoque em aspectos culturais buscando clarificar a influência das características de seu sistemas de escrita para o desenvolvimento dessa sociedade. A realização do projeto além de permitir a compreensão da escrita como uma prática histórica, cuja historicidade influencia na forma com que ela é compreendida pela sociedade, buscou também, atraindo a atenção do aluno para a aprendizagem de História Antiga, possibilitar uma melhor compreensão das características da sociedade Fenícia, da forma com que se relacionavam com o mundo, a sua religião, a sua estrutura política, comercial e cultural.
Palavras-chave: Ensino; Escrita; História Antiga.

Antonio Alves Bezerra 

Resumo
O artigo analisa experiências desenvolvidas nas disciplinas Prática de Ensino de História e Estágio Supervisionado II e III, tendo como objetivo a motivação de estudantes universitários à docência do ensino de história na educação básica. Tal prerrogativa evidenciou a conexão entre escola e universidade, apontando para o fortalecimento da profissão docente. O uso de projetos com eixos temáticos no ensino de história potencializou a interdisciplinaridade do ensino nas escolas e fez notar o uso de novas técnicas e linguagens na problematização das aulas de história. As atividades realizadas no âmbito das escolas atenderam os objetivos iniciais, levando os estudantes estagiários a testarem os conhecimentos adquiridos na academia nos espaços escolares, levando-os a saborearem os primeiros momentos da docência. Palavras-Chave: Docência, Projeto, Eixo-temático.

Everton Demetrio 

Resumo
Tendo em vista a obrigatoriedade do ensino de história e cultura indígenas nas escolas de educação básica de todo o Brasil, conforme determina a lei 11.645, ampliando as determinações da lei 10.639/2003, que instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira e africana, contribuindo dessa forma para a discussão deste tema, possibilitando a ruptura do modelo eurocêntrico no ensino e a construção de uma educação voltada ao exercício da alteridade na escola brasileira. Historicamente os povos indígenas têm sido objeto de múltiplas imagens e conceituações por parte dos não índios e, em consequência, dos próprios índios, marcadas profundamente por preconceitos e ignorância; o texto que ora apresentar-se-á visa, sobretudo, compartilhar experiência engendrada no âmbito da rede pública de ensino onde pudemos discutir a realidade dos povos indígenas, suas lutas e invisibilidade sociocultural e política, bem como promover um espaço de dialogo entre dois universos culturais distintos, possibilitando a construção de um conhecimento mais próximo da realidade indígena e dos estudos atuais sobre ela, valorizando o diálogo e o repensar das diferenças. De forma tal, este texto é o registro comentado de uma vereda que se põe em aberto no contexto do ensino de história e da temática indígena.
Palavras-chave: história indígena, educação, alteridade.

Elois Alexandre de Paula

Resumo
Nesse texto abordamos a trajetória acadêmica dentro  do projeto “Catadores Da Margem Esquerda : Coleta sobrevivência no médio Iguaçu no inicio do século XXI”.  Este projeto foi proposto pelo departamento de História da Fafi-UV de União da Vitória, em convênio com a Seti-PR, nos  anos de 2009 e 2011 nesta cidade. Basicamente o projeto vinha em busca de colher depoimentos de personagens chamados “catadores” de material reciclável e que viviam nas áreas ribeirinhas do rio Iguaçu e parte da região, e que muitas dessas histórias foram selecionadas para produzir um documentário sobre os mesmos.  Com relação ao trabalho proposto comentamos no presente texto os avanços com relação ao projeto, as experiências vívidas e o aprendizado técnico e profissional, que não ficou apenas na elaboração não somente de um documentário, mas de vários outros que ampliou ainda mais o sucesso do projeto e de toda a equipe de trabalho que participou do projeto. Enfim os relatos descrevem não somente a trajetória do projeto, seus avanços e expectativas alcançadas, mas também  relata o experiência profissional atingida por nós, e a ideia principal do aprendizado de se fazer história  e também ensinar  Historia, principalmente no que se tange a História local e oral.
Palavras Chaves:  Documentário  -Catadores - História

Roper Pires de Carvalho Filho 

Resumo
Esse trabalho objetiva refletir sobre o processo de circulação do livro didático de História, e neste, o papel desempenhado por um ator – a comunidade epistêmica, comunidade científica formada pelos historiadores – na avaliação e triagem dos livros didáticos, via participação no PNLD, o Plano Nacional do Livro Didático. Para isso, referenciado nas pesquisas desenvolvidas por Stephen Ball e Alice Casimiro Lopes, estabeleço como itinerário apresentar o conceito de comunidade epistêmica, para em seguida buscar estabelecer os nexos entre a produção acadêmica sobre o ensino de História e os critérios adotados pelos historiadores para avaliar os livros didáticos que compõem o catálogo do referido PNLD.
Palavras-Chave: Comunidade Epistêmica. Livro Didático. PNLD. História escolar.

Geraldo Magella de Menezes Neto 

Resumo
O presente artigo socializa um relato de experiência no ensino da Grécia Antiga em turmas de 5ª série/6ª ano do ensino fundamental em escolas públicas do Pará. Ao tratar do tema da mitologia grega, utilizamos a literatura de cordel, que apresenta uma linguagem em versos rimados, de fácil compreensão para os alunos. Destacamos que o cordel pode ser um recurso didático interessante para o ensino de História, ao estimular a leitura e possibilitar a relação passado-presente.
Palavras-chaves: Ensino de História; Grécia Antiga; Literatura de Cordel.

Alexandre Silva da Silva 
Sara Schneider de Bittencourt

Resumo
O Presente artigo visa refletir sobre o ensino da História nas instituições formais, tendo como base um processo lúdico e temporalmente contemporâneo, o Role Playing Game (RPG), um jogo de interpretação que propicia múltiplas interações, o qual tem sua aplicação incentivada pelo MEC (Ministério da Educação). Para desenvolver tal tarefa lançaremos mão de revisão bibliográfica relações sistêmicas, sob a luz da teoria da complexidade de Edgar Morin.
Palavras Chave: RPG, Complexidade, Ensino

Alexandre Claro Mendes 

Resumo
O artigo tem como objetivo fornecer elementos ao professor para que ele possa introduzir em suas aulas de História o ensino da História da Ciência. A perspectiva desse trabalho está fundamentada na possibilidade de promover uma discussão interdisciplinar tendo no seu núcleo a história, ciência e a filosofia. A compreensão dessas diferentes áreas do conhecimento, vista pelo prisma da História da Ciência, fornece um maior entendimento aos alunos sobre as condições históricas, políticas e sociais nas quais se constrói o conhecimento científico.
Palavras-Chaves: História, História da Ciência, Ensino de História

Vitor Angelo Cardozo Frasca 

Resumo
O presente artigo visa, uma reflexão sobre as ferramentas de intervenção que podem tornar o ensino de história e suas correlatas, uma tarefa mais produtiva e de grande valia na formação do senso crítico. Ademais, flexionamos a responsabilidade do historiador, quanto à sua teleologia que no que diz respeito tende a sugerir novos olhares e trazer à luz o que se fez oculto e que se contrapõe diante uma história tradicional, factual e que não aceita versões. Além do ofício do historiador, que pode ser resumido a vislumbrar o interesse e a reflexão dos leitores aos diversos prismas existentes sobre um determinado fato. O desafio desse artigo será relatar a importância do uso de novas ferramentas, para instigar a curiosidade, o conhecimento e aprofundar o senso crítico em sala de aula, buscando assim significantes na relação ensino-aprendizagem, por fim, referenciando ao mito da caverna de Platão, o professor deve regressar à “caverna” e avisar aos outros que existe luz, ideias e conhecimentos novos do lado de fora.
Palavras-Chaves: história, ensino, desafios.

Cássio Júnio Ferreira da Silva
Luan Moraes dos Santos

Resumo: Em 2008, foi sancionada a lei 11645/08 que tornou obrigatório o ensino de história dos povos indígenas nas escolas regidas pelo Ministério da Educação e Cultura. Mesmo com essas prerrogativas estabelecidas, nem todas as escolas aplicam os estudos sobre os povos indígenas de forma adequada; um ensino que não corresponde a pluralidade dos povos indígenas do Brasil e que os retrata, nos livros didáticos, como seres ainda puros e cuja presença só é notada nos primórdios da história do Brasil. Assim, o artigo que segue é resultado de um estudo de caso, na Escola Estadual Humberto Mendes, localizada no Município alagoano de Palmeira dos Índios, que evidencia a segregação dos indígenas em uma região rodeada por suas comunidades. O embasamento teórico, consiste nos estudos feitos sobre as comemorações do dia do índio pelo professor Edson Silva (2015), nas obras de Maria Teresa Nidelcoff (1979), Paulo Meksenas (1988) e Michael Pollak (1989).
Palavras-chave: Ensino. Formação. Pluralidade. 

André Moreira da Silva 

Resumo: Este artigo tem por objetivo analisar e discutir a experiência de concepção e prática de uma aula oficina em uma escola pública na cidade de Vitória da Conquista – BA. Discutir-se-á a prática metodológica da oficina e do desenvolvimento das discussões e atividades que objetivaram observar alguns aspectos da colonização europeia na América através de vários textos, incluindo a obra cinematográfica Avatar (2009), de James Cameron, como uma alegoria do processo colonial ocorrido na América portuguesa, a partir do século XVI. Através destas conexões a aula oficina pretendeu estabelecer conexões entre as experiências pessoais dos alunos e o tema proposto a fim de gerar debates e instigar a desconstrução de preconceitos e erros sobre esse processo.
Palavras-chave: período colonial brasileiro; história indígena; aula-oficina.

Andréa Giordanna Araújo da Silva

Resumo: O construto apresenta os resultados da pesquisa sobre a formação do professor-pedagogo que leciona história nos anos iniciais do ensino fundamental e do trabalho de elaboração de arquétipos de programas curriculares para o ensino de história. Considerando as diretrizes oficiais para o ensino da disciplina no Brasil e as demandas sociais e culturais das escolas públicas e privadas da região metropolitana de Maceió, o estudo foi desenvolvido no período de 2012 a 2013 e teve como coautores os estudantes do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
Palavras-chave: Ensino de História; Pedagogo; Ensino Fundamental.

Max Lanio Martins Pina 

Resumo: Neste artigo apresentaremos a Didática da História com sua conceituação definida na bibliografia alemã referente ao movimento que ficou conhecido como virada paradigmática dos anos 60 e 70, bem como discutiremos as influências desse grupo na ampliação desse conceito no Brasil a partir da última década. Contextualizaremos esse movimento com suas características sociais e históricas peculiares, para mostrar como essa disciplina foi expulsa e reintroduzida no campo da Ciência Histórica. Analisaremos essa disciplina como subdisciplina da Ciência da História com o seu caráter metateórico na reflexão da práxis historiográfica e por fim vamos expor os atuais rumos dessa área no Brasil.
Palavras-chave: Didática da História. Virada Paradigmática. Anos 60 e 70.

Adauto Santos da Rocha
Míriam de Lima Cabral

Resumo: A música é um proveitoso instrumento para o ensino de História, visto que funciona como meio de difusão de conteúdos através de uma justa harmonia entre sons, o que em síntese é tratado como eficiente no que diz respeito ao campo de ensino da História. Com o intuito de apresentar possibilidades de ensino através da música, esse trabalho norteia-se na busca e na análise de composições dos mais variados estilos musicais, fundamentadas no repasse de conteúdos históricos, implícita ou explicitamente. No decorrer do texto serão apresentadas ao leitor algumas composições, a fim de fomentar uma discussão subjetiva sobre possíveis diálogos entre música e história, visando como as composições podem ser aplicadas no espaço educacional.
Palavras-chave: Ensino. Escola. História.

Weverson Cardoso de Jesus 

RESUMO: As diversas manifestações culturais podem ser usadas como objetos de análise da História; assim, o artigo visa compreender e registrar os mitos e lendas que permeiam o imaginário coletivo, com foco de pesquisa no ouro encantado, bem como traçar um paralelo entre as formas de pensar a cultura como elemento constitutivo de um povo e a valorização da oralidade como fonte metodológica. O ouro encantado faz parte do imaginário coletivo de diversas regiões do país e relaciona-se com o passado colonial de extração aurífera. Desse modo, objetiva-se perceber as permanências e ressignificações sofridas acerca do mesmo no decorrer dos tempos, do período colonial ao contemporâneo.
Palavras – chave: mito, imaginário, encantaria.

Alisson Slider do Nascimento de Paula
Kátia Regina Rodrigues Lima
Emmanoel Lima Ferreira

RESUMO: Buscou-se analisar as condicionalidades empreendidas pelas medidas econômicas e sociais dos governos Petistas no cenário da educação superior brasileira, caracterizando as políticas e ações instituídas no interior do ensino superior. Para trato metodológico, utilizou-se o materialismo histórico e dialético desenvolvido por Marx (2008), buscando, dessa maneira, apreender a realidade em sua totalidade. Assim, no cenário dos condicionantes atribuídos pelos organismos multilaterais a educação deixa de ser um direito passando à ser um serviço comercializável. Os governos do PT compreenderam, a partir das orientações do Banco Mundial, a educação como promissor nicho mercadológico, o que levou a cabo um vasto processo de expansão e privatização do ensino superior no Brasil.
Palavras-chave: Educação Superior. Capital. Governos Petistas. Mercantilização.

Clara Maysa Alves da Rocha Torres 
Érica de Oliveira Santos 
José Adelson Lopes Peixoto 

Resumo: Este artigo tem por objetivo desconstruir a visão estereotipada existente em relação aos índios Xucuru-Kariri, povo que vive no município alagoano de Palmeira dos Índios-AL, mostrando que apesar das transfigurações étnicas e anos de invisibilidade perante a sociedade (por medo de represália), mantém como elementos principais a resistência e a sua cultura fortemente personificada em seus rituais. Logo apresentaremos o Toré, dança performática que simboliza a união e a construção de sua identidade, além de reforçar a busca por reconhecimento, através da luta pelas terras que são suas por direito. A metodologia parte basicamente de pesquisas de campo, realizadas com a população local, e estudos bibliográficos nos escritos de Aldemir B. da Silva Junior(2013), Darcy Ribeiro, João P. de Oliveira (1998), José Adelson Lopes Peixoto, Júlio Cezar Mellati pesquisadores da história indígena.
Palavras-Chave: Estereótipo. Xukuru-Kariri. Invisibilidade.

Rafael Luiz Correia da Silva

RESUMO: A guerra é um tema muito discutido desde os primórdios da humanidade até os dias atuais, isto por que ela está presente em todos os séculos, podemos ver como grandes estrategistas de guerra ou mesmo historiadores veem este fenômeno que é extremista por natureza, como afirma Clausewitz “a guerra é um ato de violência destinado a obrigar o inimigo a fazer a nossa vontade” . Podemos notar isto em todas as guerras registradas, desde as do Peloponeso (431 a 404 a.C.) aos conflitos civis que estão acontecendo no Oriente Médio (Guerra Civil na atualidade). Isto com grande influência das multinacionais e Estados ricos que financiam as guerras com o interesse no lucro posterior.
PALAVRAS CHAVES: Guerras, Corrupção, Economia.

Denis Henrique Fiuza 
Rodrigo dos Santos 

Resumo: Vários historiadores se dedicaram a estudos e a construção de obras sobre a sociedade e a cultura paulista do século XX. Dentre eles, se encontra Nicolau Sevcenko, autor da obra Orfeu Estático na Metrópole: São Paulo sociedade e cultura nos frementes anos 20. O objetivo desse artigo é realizar uma análise historiográfica da obra de Sevcenko, principalmente de suas investigações sobre os imaginários e mentalidades da sociedade paulista em constantes transformações nos anos 1920. Para tal, elabora-se um esboço de revisão historiográfica e um estudo de caso referente a obra Orfeu Estático na Metrópole. Verificam-se a importância dessa obra tanto na literatura quanto na história, e a contribuição com os conceitos que envolvem a modernidade. A obra Orfeu Estático na Metrópole esmiúça o contexto de explosão da arte moderna e da transformação estrutural da Cidade de São Paulo nos anos 1920, e a partir de fontes exclusivamente literárias, Sevcenko realiza uma extensa análise da produção modernista, e a entrecruza ao cenário de urbanização da cidade, e do desenraizamento e fragmentação no cotidiano dos paulistanos da época.
Palavras-Chave: São Paulo, Modernidade, anos 1920.

Carolyne do Monte  

Resumo: Este trabalho apresenta um relato de experiência de uma prática de ensino voltada para o ensino de história que valoriza um ensino multicultural contribuindo com o processo de mudança apontado pela Lei 11.645/2008, realizada em uma escola de ensino básico da cidade do Recife. Sendo assim visamos compartilhar uma experiência vivida em sala de aula e seus resultados, sobre a leitura da obra literária de caráter cosmológico sobre os nativos Tupinambá, Meu destino é ser onça, de Alberto Mussa. Por meio de uma perspectiva inovadora no sentido de adequar conteúdos as realidades dos educandos, desenvolvemos com os educandos a produção de imagens/desenhos a partir da leitura da obra, analisando-as é possível perceber o processo de recepção da mesma, seguindo a ideia de Hans Robert Jauss de que o leitor é protagonista no processo de leitura.
Palavras chaves: Lei 11.645/2008; Tupinamba; Recepção.

Luis Fernando Tosta Barbato 

Resumo: O presente artigo tem como objetivo analisar a importância da Iniciação Científica como instrumento de integração entre a História e as disciplinas do currículo técnico, dentro dos cursos de Ensino Médio Integrado. Com o avanço dessa modalidade de ensino, alcançada principalmente através da difusão dos Institutos Federais, a partir de 2008, percebemos que há uma necessidade cada vez maior de se integrar de fatos as disciplinas do currículo básico com as disciplinas do currículo técnico, e nesse sentido, observamos a Iniciação Científica como um instrumento eficiente nesse sentido, uma vez que permite o desenvolvimento de pesquisas que trabalhem aspectos históricos e técnicos de maneira integrada, contribuindo assim para a formação que esses cursos almejam a seus alunos.
Palavras-chave: Ensino de História; Ensino Médio Integrado; Iniciação Científica.

Amanda Marques de Carvalho Gondim 

Resumo: O processo de ampliação da rede de ensino público no Brasil entre os anos de 1960 e 1980 atendeu a interesses específicos da conjuntura política e social do país. Um deles foi a produção da identidade nacional a partir da afirmação de verdades instituídas pelo governo. Um dos caminhos para inserir os discursos no meio educacional foi a retomada da Educação Moral e Cívica, pautada em valores morais ligados à religião cristã. Para a sua legitimação, execução e fiscalização foi criado um órgão, a Comissão Nacional de Moral e Civismo (CNMC).
Palavras-chave: Comissão Nacional de Moral e Civismo, Identidade Nacional, Discursos.

Leanderson Cristiano Voznei 

Resumo: A República haitiana é fruto da união de povos escravizados que enxergaram na junção de ideias, ideais e forças, a esperança necessária para tentar reverter um destino vil de quase três séculos de domínio europeu. Liberdade, Igualdade e Fraternidade, convicções da Revolução Francesa foram primordiais na revolta e revolução negra haitiana, e culminaram em sangrentas batalhas envolvendo brancos, negros e mulatos. O país conquistou sua liberdade e o título de Primeira República Negra do Mundo, porém, mais de dois séculos depois é possível verificar que os ideais sonhados e que sustentaram a revolta e revolução, não foram alcançados e o país sofreu com bloqueios comerciais, violência, ascensão de gangues criminosas, períodos ditatoriais e de intervenções militares internacionais apoiadas pela Organização das Nações Unidas (ONU).
Palavras-chave: República Negra. Revolta. Toussaint Louverture.

Luan Moraes dos Santos
José Adelson Lopes Peixoto

Resumo: Este trabalho tem como principal objetivo descrever fatos rotineiros da comunidade indígena Xukuru-Kariri da Mata da Cafurna (Palmeira dos Índios-AL) em contextos sociais decorrentes do processo de assimilação da cultura dos não índios. Permeia os conceitos de memória e história oral, tendo como fontes metodológicas principais, relatos colhidos durante pesquisa de campo na Aldeia Indígena Mata da Cafurna. Pretende-se analisar de que forma o cotidiano da comunidade indígena vem se relacionando com o desenvolvimento do Município de Palmeira dos Índios. A pesquisa é fundamentada em pressupostos teóricos de Carrara (2003), Le Goff (1994), Peixoto (2011), Silva (2007) e Silva Júnior (2013). Este estudo contribui com a discussão sobre o cotidiano indígena na aldeia frente ao processo de demarcação territorial que tramita na justiça e ocupa o centro das discussões na cidade de Palmeira dos Índios-AL.
Palavras-chave: Etnografia. História. Memória.

Ana Luiza de Vasconcelos Marques

Resumo: Este artigo pretende refletir sobre a ação de ensinar, considerando a docência enquanto prática social, sobretudo no que tange aos objetos de ensino e sujeitos envolvidos. Para isso, apresento como ponto de partida um relato de experiência que vise esmiuçar as Diretrizes Psicopedagógicas de uma determinada instituição privada de ensino superior, a fim de evidenciar por meio das metodologias, práticas e fundamentos por ela adotados, os limites e críticas que envolvem os docentes e, consequentemente, os discentes no exercício do ensinar. Desta forma, conclui-se que pensar na formação do professor no Ensino Superior é atentar para a necessidade da criação de políticas públicas e institucionais que possibilitem uma abordagem que, antes de se respaldar no plano mercadológico, valorize o caráter institucional, individual e coletivo da formação. Não obstante, para além do elemento da formação docente, espera-se também que as Instituições de Ensino Superior (IES), em sintonia com a gestão pedagógica e professores do curso, juntos, comprometam-se em prol da construção do conhecimento, seja no âmbito de planejarem as disciplinas, seja na perspectiva de escolher as metodologias ou mesmo na definição dos critérios avaliativos.
Palavras-chave: Relato. Docência. Ensino Superior.

Matheus Mendanha Cruz 
Maytê Regina Vieira 

Resumo: O artigo foi feito sob a orientação da professora mestre Maytê Vieira, dentro das aulas de Teoria da História II, disciplina oferecida pela UEPG – Universidade Estadual de Ponta Grossa. O presente trabalho visa discutir, através de revisão bibliográfica, as mudanças paradigmáticas desde o início do século XVIII até a transição para as Teorias Históricas, buscando evidenciar que o Historicismo e a Escola Metódica trouxeram a História o staus de ciência, rompendo com as Filosofias da História, não desmerecendo o papel desta quanto o desenvolver do pensamento histórico. A bibliografia utilizada foram os textos sugeridos, utilizados em aulas e, também, bibliografia complementar.
Palavras-Chave: Filosofias da História; Mudança de Paradigmas; História como Ciência.

Rebecca Carolline Moraes da Silva 

Resumo: Com a abertura da História para novos olhares por meio da revolução documental, os filmes puderam entrar no arsenal de fontes históricas dos historiadores. Os filmes históricos representam o passado, havendo, no entanto, uma tensão entre evidência e representação, tendo em vista que os espectadores podem considerar o que eles dizem sobre o passado como verdade histórica. A necessidade humana de se orientar no tempo está ligada ao conceito de consciência histórica, de maneira que, pelo conhecimento do passado, o ser humano se orienta no tempo e se identifica com seus pares em seu espaço-tempo, podendo assim projetar suas ações futuras de maneira crítica e autônoma. Na Educação Histórica os alunos podem trabalhar como formadores do próprio conhecimento, valorizando sua bagagem cultural. Tendo isto em vista, o cinema pode se agregar aos conhecimentos prévios dos alunos. Nesse sentido, ao utilizar o cinema em sala de aula, o papel do professor é o de problematizador. Para isso, deve realizar observações que os levem a pensar de forma crítica em relação ao filme.
Palavras-chave: Cinema; História; Educação Histórica.

Luciana Mendes dos Santos

Resumo: Este artigo está centrado na experiência do ensino de história para jovens em espaços de privação de liberdade na região da Grande Florianópolis, abordando a situação dos jovens em reclusão, a conjuntura política quanto a questão da maioridade penal e a vivência em sala de aula com os educandos. A experiência é vista a partir dos conceitos de educação abordados por Paulo Freire (1987), das possibilidades da História segundo Walter Benjamin (2005) e das visões de experiência de Jorge Larrosa (2002).
Palavras-chave: reclusão, sistema socioeducativo, ressignificação.

João Pedro Pereira Rocha

Resumo: Dentre as discussões que mobilizam os pesquisadores no campo do Ensino de Historia, boa parte está preocupada com as estratégias de ensino e aprendizagem desenvolvidas em sala de aula. Nesse sentido, o presente trabalho faz uma reflexão acerca do uso de poemas nas aulas de História. O caminho trilhado seguiu dois momentos: primeiro, fez-se um estudo sobre alguns escritos do poeta Castro Alves presentes nas obras Os Escravos e Espumas Flutuantes, com o intuito de identificar poemas entendidos como fontes de inspiração em uma determinada época e passíveis de uso nas aulas de História. Em um segundo momento, optou-se pela reunião de alguns textos e reflexão a partir de bibliografia que versa sobre o uso de documentos autênticos nas aulas de História, sobretudo os estudos de Circe Bittencourt (2011) e Selva Guimarães Fonseca (2012). A poesia, como perspectiva para o ensino e aprendizagem de História permite ao professor visualizar o poema como um gênero cultural de uma época, com marcas e registros de seu tempo, elementos possíveis de serem utilizados em sala de aula.
Palavras-chave: Ensino de História. Poesia. Ensino Aprendizagem.

José Anastácio Barbosa da Silva 
José Nilson Silva de Oliveira 
Luziano Pereira Mendes de Lima

Resumo:Este trabalho tem como escopo pesquisar o conceito de Estado nos principais teórico-estudiosos da temática. O Estado que é um termo que passa por diversas ressignificações no decorrer da História, compreende várias facetas. E isto, é o que pretendemos demonstrar no transcorrer desta pesquisa, evidenciando os seus principais aspectos, suas funções e caracterizações. Sendo assim, a principal fonte metodológica utilizada nesta pesquisa, se refere à pesquisa bibliográfica, tomando inicialmente como pressupostos teóricos os trabalhos de autores contratualistas como Hobbes, Locke e Rousseau, e ainda autores como Engels, M. Florenzano, Marx, Norberto Bobbio e Rothbard. Almeja-se tentar compreender o Estado através destas bases teóricas, que perpassam o jargão da História, no decorrer do tempo.
Palavras - Chaves: Nação. Poder. Teoria.

João Batista Correa 

Resumo: O objetivo deste artigo é analisar a história administrativa da Imperial Fazenda de Santa Cruz através das gestões administrativas dos administradores e superintendentes que passaram pela fazenda, buscando analisar suas possíveis implicações na estrutura da fazenda e o impacto de suas medidas na população escrava no decorrer do século XIX.
Palavra Chave: Fazenda de Santa Cruz, Escravidão, Jesuítas, Administração.

Isaias Holowate
Dones Claudio Janz Junior

Resumo: O presente artigo faz um estudo da atuação do jornalista Hugo dos Reis na sociedade ponta-grossense entre os anos de 1908 e 1921. Tendo vindo do Rio de Janeiro em 1908, ele atuou em Ponta Grossa junto ao jornal local O Progresso – depois Diário dos Campos -, em diversas funções, sendo redator, diretor e posteriormente, proprietário do jornal. No periódico, promoveu o surgimento de uma classe de colaboradores da publicação, permitindo a presença de uma diversidade de representações sobre a sociedade daquele período.  Na pesquisa utiliza-se como fonte, as publicações dos jornais O Progresso e  Diário dos Campos e entre 1908 e 1921 e embasados pela teoria das Representações do historiador Roger Chartier, analisa-se os sentidos produzidos pelo jornalista sobre o meio social ao qual fez parte, compreendendo que as representações são socialmente construídas e se relacionam com o ambiente social e cultural em que seus signos são produzidos.
Palavras-chave: Representações; Relações sociais; Diário dos Campos.

Jean Marcos Bonatto 

Resumo: Os documentos diplomáticos como fonte histórica proporcionam ao historiador diversos caminhos para abordagem da pesquisa, sejam em temas sobre economia, política, cultura ou estudos etnográficos. Este artigo irá analisar a partir de dois fatos da Segunda Guerra Mundial (Anschluss e Anexação da Checoslováquia) como a diplomacia atuou nos diversos fatores que marcaram o inicio do conflito, bem como sua correlação com o teatro das operações, e ainda como tais fatores acabaram por alterar a Geopolítica europeia.
Palavras-chave: Diplomacia, Geopolítica, Segunda Guerra Mundial.

Brunemberg da Silva Soares
José Adelson Lopes Peixoto

Resumo: O encontro entre navegantes portugueses e povos ameríndios da região que corresponde ao atual Brasil, no ano de 1500 (suposto descobrimento), foi o marco inicial dos contatos entre duas culturas totalmente diferentes. Sabe-se que, a cultura do povo invasor se sobressaiu à dos povos nativos, por meio da imposição. Contudo, o conquistador, mesmo militarmente superior, preferiu agir cautelosa e estrategicamente, no intuito de criar formas para impor sua dominação, elaborando discursos que serviram para justificar seus propósitos. Em vista disso, o presente texto se propõe a fazer uma análise das proporções e dimensões que esses discursos alcançaram durante os primeiros anos da colonização brasileira, servindo como justificativa para as mais variadas formas de exploração. Este estudo foi pautado em pesquisa bibliográfica sobre cultura nos conceitos de Roque de Barros Laraia, na descrição da nova terra exposta nas cartas de Nóbrega e Anchieta analisadas por Felipe Moreau e sobre o descobrimento em Janote Pires, entre outros. Assim, discutem-se como tais literaturas contribuíram para mudar a tradição indígena, reduzindo a complexidade e a importância dessa cultura projetando uma imagem contrária a real, e que expressou a essência do colonialismo português no Brasil, imagem essa, que ainda hoje, é aceita e reproduzida.
Palavras-chave: Cultura. Discurso. Imposição.

Bruno Sergio Scarpa Monteiro Guedes

Resumo: Este artigo visa analisar as relações que são estabelecidas nas esferas política, econômica e social com o propósito de se discutir ações que possam privilegiar a construção de um currículo multicultural nos espaços escolares. Neste sentido são realizados apontamentos ao longo de nossa pesquisa sobre ações que possam possibilitar uma educação voltada para a diversidade cultural abalizados na revisão bibliográfica de educadores que se propuseram a discutir o tema e questão.
Palavras-chave: diversidade cultural; currículo; formação docente; contexto escolar.